Doenças reumáticas autoimunes e a importância da vacinação

Os dados do Ministério da Saúde apontam que as doenças reumáticas que atingem, principalmente, as articulações, afetam mais de 12 milhões de brasileiros. Engana-se quem pensa que as enfermidades causam prejuízos apenas às articulações. Além das possíveis sequelas que podem desencadear, principalmente, nos rins, pele e coração, já está comprovado que os portadores de doenças reumáticas autoimunes, como lúpus, artrite reumatoide, síndrome de Sjögren e espondilite anquilosante, são mais suscetíveis a doenças infecciosas.

A maior prevalência de doenças infecciosas entre portadores de doenças reumáticas, quando comparados com a população em geral, deve-se a deficiência imune da própria doença e, também, pelo uso de terapia imunossupressora.

As doenças autoimunes são um desequilíbrio no sistema imunológico, resultado da produção de anticorpos que, em vez de protegerem, passam a atacar o próprio organismo. Os medicamentos imunossupressores são utilizados, portanto, para bloquear o sistema de defesa, amenizando os sintomas da doença ou inibindo o aparecimento. Os mecanismos de defesa ficam comprometidos com os medicamentos, apresentando menor resistência às infecções.

É fundamental os portadores de lúpus, artrite reumatoide, síndrome de Sjögren e espondilite anquilosante, entre outras doenças, estarem em dia com as vacinas, pois é uma das formas mais eficazes de prevenção de doenças infecciosas e, consequentemente, como medida para a redução da mortalidade.

As infecções respiratórias são comuns, principalmente, durante os meses mais frios do ano. A recomendação é a imunização contra o vírus da gripe e da pneumonia, vacinas disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), incluindo ainda vacinação contra hepatite e, antes de iniciar o tratamento com imunossupressores, contra febre amarela e herpes-zóster.

O reumatologista deve indicar as vacinas que precisam ser aplicadas e esclarecer sobre a imunização, orientando e criando, conjuntamente, um calendário de vacinação. Cada caso exige uma conduta, mas, geralmente, espera-se a estabilização da doença para a imunização.

Mais de cem doenças autoimunes já foram catalogadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e podem ser específicas de um órgão ou sistêmicas, quando a autoimunidade provoca danos em vários órgãos ou tecidos. O segundo grupo envolve as doenças reumáticas citadas anteriormente e, em geral, as mulheres são o principal grupo acometido, representando 90% no caso de lúpus. A estimativa é uma em cada 1.700 brasileiras apresentar a enfermidade.

Em decorrência da vulnerabilidade do sistema de defesa, a prevenção com vacina, especialmente contra as doenças infecciosas, é fundamental para garantir a longevidade desses pacientes. A recomendação é uma maior conscientização sobre a importância de manter em dia o calendário vacinal e que quem sofre com doenças reumáticas autoimunes tenha acesso ao tratamento por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

*Mariana Peixoto – Vice-Presidente da Sociedade Mineira de Reumatologia

9 thoughts on “Doenças reumáticas autoimunes e a importância da vacinação

  1. Gildete de souza Santos. says:

    Sinto dores terríveis por causa da artrite reumatoide, estou esperando por um retorno com a reumatologia, q, nunca sai.gostaria de ser acompanhada por um profissional de saúde, no hospital das clínicas, mas infelizmente, a consulta não sai pra lá.

    Responder
  2. Gildete de souza Santos. says:

    Gostaria muito de saber, como faço pra aliviar as dores, por causa da artrite reumatoide?Boa noite

    Responder
    1. SMR - Sociedade Mineira de Reumatologia says:

      Olá, Gildete. Tudo bem? Você já procurou um reumatologista? Somos uma Sociedade Médica e usamos os canais nas redes sociais e site para repassar informações de utilidade pública sobre doenças reumáticas e reumatologia em geral. Não realizamos consultas, mas nesse link tem reumatologistas em diversas partes do país, esperamos que encontre algum na sua região: https://www.reumatologia.org.br/associado

      Responder
  3. Lourdes Maria Canazaro Dalla Vecchia says:

    Excelente matéria.
    Sou portadora de ESPONDILITE ANQUILOSANTE, Doença Degenerativa na coluna cervical, lombo torácica, mais recente degeneração na bacia e quadril.
    Passei por Artrodese lombo torácica,colocação de 8 pinos, RIZOTOMIA, etc…
    OSTEOPOROSE GRAVISSIMA- já tive 2 fraturas espontaneas.
    Toda informação a respeito me adicionará significativamente. Faço uso de medicamentos como FORTEO COLOR PEN, DULOXETINA, ETC… sob acompanhamento de Reumatologista é cirurgião da coluna.
    Grata.
    Att
    Lourdes Maria Canazaro Dalla Vecchia

    Responder
    1. SMR - Sociedade Mineira de Reumatologia says:

      Olá, Lourdes. Tudo bem? Agradecemos pelo feedback! Ficamos felizes em ajudar.

      Responder
  4. Melin says:

    Olá! Quem tem Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide (SAF) pode se vacinar contra covid?

    Responder
    1. SMR - Sociedade Mineira de Reumatologia says:

      Olá Melin, Não é considerado grupo comorbidades

      Responder
  5. Fernando Lima says:

    Olá boa noite! Eu descobri que tenho espondilite anquilosante, a uns 10 anos. Nunca consegui tratar adequadamente, pois com poucas posses, não pude pagar reumatologista. No SUS, os papéis para marcar ficavam parados. Tive uveíte várias vezes, muitas dores na coluna e nas articulações das pernas, também tive infecção de pele que foi difícil para curar.
    Estimulado por um oftalmologista de minha cidade, iniciei novamente minha via crúcis . E depois de muito insistir consegui ir a um especialista. E feito is exames, demoraram mais de um ano e não conseguia retornar para mostrar os exames.
    Um anjo me ajudou. Uma senhora relatava sua luta diária com espondilite anquilosante, na rede social. Comentei das minhas dificuldades para nome tratar. Eu não sabia, mas ela conversou com o prefeito de minha cidade e ele foi atrás e agilizou os papéis que estavam parados.
    Graças a Deus deu tudo certo , e agora to fazendo um tratamento com imunossupressor a 3 meses To bem melhor. Ainda não tomei as vacinas, justamente , pela demora em retornar ao reumato. Tenho todos os exames, e até uma declaração em que a médica fala do problema e do tratamento. Não desisto , um dia ainda vou conseguir tomar as vacinas.

    Responder
    1. SMR - Sociedade Mineira de Reumatologia says:

      Olá, Fernando. Doenças reumáticas de fato não são fáceis. O tratamento médico seguido corretamente ajuda amenizar os transtornos e dores causados pela doença. Não deixe de seguir com as orientações médicas e de consultar também!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *