5 Fatos Sobre o Lúpus

O Lúpus Eritematoso Sistêmico é um dos tipos de reumatismo que mais acomete as pessoas. A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) estima que 65 mil cidadãos sejam portadores da doença no Brasil, sendo a maioria do sexo feminino. A expectativa é que uma a cada 1.700 mulheres no Brasil tenha a doença.

O dia 10 de maio foi definido como Dia Mundial do Lúpus para conscientizar a população sobre como a doença afeta o cotidiano. A data também reforça a extensão de pesquisas na área e serviços de saúde com mais eficiência para portadores dessa e de outras patologias reumáticas. Saiba mais clicando aqui!

O lúpus é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune, cujos sintomas podem surgir em diversos órgãos de forma lenta e progressiva (em meses) ou mais rapidamente (em semanas) e variam com fases de atividade e de remissão.

A doença tem duas espécies de LES: o sistêmico (atinge um ou mais órgãos do corpo) e o cutâneo (provoca manchas na pele, principalmente braços, colo, orelhas e rosto). Entretanto, existem também os sintomas gerais, como febre, emagrecimento, perda de apetite, fraqueza e desânimo e, outros, específicos de cada órgão, como dor nas juntas, manchas na pele, inflamação da pleura, hipertensão e/ou problemas nos rins.

Diariamente, nós da Sociedade Mineira de Reumatologia (SMR) recebemos diversos questionamentos em nossas redes sociais, como: “lúpus tem cura?”, “quais são os sintomas?”, “dá para conviver com a doença?”, entre outros. Para ilustrar a data e pensando em compartilhar as dúvidas, foram criados 5 fatos importantes sobre. Confira:

Fato 1: Somente idosos podem ter lúpus?

Não. Pessoas de todas as idades podem ser diagnosticadas com LES. É comum acometer mestiços e afro-descendentes, entre os 20 e 45 anos de idade, não sendo, necessariamente, uma regra geral. 

Fato 2: Existe medicamento para aliviar as dores?

Sim. O tratamento é feito sob orientação médica, podendo ser medicamentoso, acompanhado de algumas atividades que amenizam as dores e transtornos.  Alimentação equilibrada ao consumo de água são também pontos fortes para tratar o problema. Evitar hábitos como se expor de maneira exagerada ao sol, fumar e consumir bebida alcoólica são indispensáveis na melhora da rotina de quem possui LES.

Fato 3: Quem tem lúpus está mais propenso a ter câncer, infecções como a covid-19 e hipertensão, entre outras doenças?

Algumas sim. Assim como em outras doenças inflamatórias, pessoas com LES tendem a ter mais doenças cardiovasculares. A hipertensão, o colesterol elevado e a insuficiência renal são mais frequentes em quem tem LES, contribuindo, significativamente, para a maior ocorrência das doenças do coração e, por isso, requerem atenção especial durante o cuidado com o LES de uma forma geral. Por outro lado, o risco de câncer é praticamente o mesmo da população em geral, apesar desse risco ser discretamente maior. Deve-se atentar para as medidas de prevenção de câncer, principalmente, os cuidados em relação ao câncer de mama e do colo do útero.

Fato 4: O período de inverno é mais complicado para os portadores de les?

Não, necessariamente. Existe um grande mito que as doenças reumáticas pioram com a diminuição da temperatura. As crises e dores ocorrem em qualquer época do ano. De fato, o cotidiano de quem tem esses tipos de doenças está longe de ser fácil, por isso, sempre reforçamos sobre a importância de se cuidar e seguir o tratamento adequado proposto por médicos.

Fato 5: Existem vacinas específicas?

Não, porém, aquelas que combatem outras patologias podem ser tomadas por quem tem lúpus. “Algumas vacinas devem ser usadas para aumentar as defesas, como as contra a pneumonia pneumocócica, contra o vírus da gripe e também as indicadas pelo Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde. Quem estiver usando imunossupressores, incluindo os corticoides, não deve receber as vacinas com vírus vivos atenuados como as da febre amarela, varicela, roteiros e Sabin”.

Veja mais sobre o assunto assistindo ao vídeo com um especialista sobre o lúpus:

Dica do Especialista: lúpus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *