Fevereiro Roxo: mês da conscientização de doenças autoimunes

Outubro rosa, novembro azul, dezembro laranja, janeiro branco e fevereiro roxo, são alguns dos meses que recebem importantes campanhas de conscientização.

No mês que sucede as férias e sedia o carnaval no Brasil, a SBR (Sociedade Brasileira de Reumatologia) tem a função de esclarecer a população a respeito de duas importantes doenças autoimunes: Lúpus e Fibromialgia.

Atualmente, cerca de 5 milhões de pessoas no mundo têm lúpus. Já a fibromialgia, que em sua maioria, acomete mulheres com idade entre 30 e 50 anos (não sendo necessariamente uma regra), atinge 2,5% da população mundial.

A Sociedade Mineira de Reumatologia define as doenças autoimunes como, “um desequilíbrio no sistema imunológico, resultado da produção de anticorpos que, em vez de protegerem, passam a atacar o próprio organismo. Os medicamentos imunossupressores são utilizados, portanto, para bloquear o sistema de defesa, amenizando os sintomas da doença ou inibindo o aparecimento. Os mecanismos de defesa ficam comprometidos com os medicamentos, apresentando menor resistência às infecções”.

Muitas dúvidas cercam o Lúpus e a Fibromialgia, por isso a importância do fevereiro roxo para esclarecer e alertar sobre essas doenças. Saiba mais sobre elas:

Lúpus

Chamada também de Lúpus Eritematoso Sistêmico, é uma das doenças reumáticas mais comuns. Uma doença crônica, inflamatória e autoimune. Os sintomas variam bastante, “podem surgir em diversos órgãos de forma lenta e progressiva (em meses) ou mais rapidamente (em semanas) e variam com fases de atividade e de remissão”, como orienta a SBR.

Tipos de Lúpus:

  • Cutâneo: se manifesta apenas com manchas na pele (geralmente avermelhadas ou eritematosas e daí o nome lúpus eritematoso), principalmente nas áreas que ficam expostas à luz solar (rosto, orelhas, colo (“V” do decote) e nos braços).
  • Sistêmico, no qual um ou mais órgãos internos são acometidos. Por ser uma doença do sistema imunológico, que é responsável pela produção de anticorpos e organização dos mecanismos de inflamação em todos os órgãos, quando a pessoa tem LES ela pode ter diferentes tipos sintomas e vários locais do corpo. Alguns sintomas são gerais como a febre, emagrecimento, perda de apetite, fraqueza e desânimo. Outros, específicos de cada órgão como dor nas juntas, manchas na pele, inflamação da pleura, hipertensão e/ou problemas nos rins”.

Existem diferentes sintomas para a doença, dentre os principais estão: cansaço, febre, perda de apetite, emagrecimento e desânimo. Além disso, a SBR diz que “as manifestações podem ocorrer devido à inflamação na pele, articulações (juntas), rins, nervos, cérebro e membranas que recobrem o pulmão (pleura) e o coração (pericárdio). Outras manifestações podem ocorrer devido à diminuição das células do sangue (glóbulos vermelhos e brancos), devido a anticorpos contra essas células. Esses sintomas podem surgir isoladamente, ou em conjunto e podem ocorrer ao mesmo tempo ou de forma sequencial”.

Não existe um público específico para o lúpus. É mais comum em mulheres com idade entre 20 e 45 anos. Contudo, não se pode prender a questão de idade, sexo e sintomas específicos. Qualquer pessoa está sujeita a esse tipo de reumatismo, o recomendável é procurar um médico clínico geral em qualquer sintoma persistente, realizar os exames e todo procedimento passado pelo especialista.

Fibromialgia

Dor muscular recorrente, sono que não alivia o cansaço, alterações no humor e falta de memória, são alguns dos sintomas da Fibromialgia (FM). As causas não são 100% esclarecidas, mas a principal hipótese é que pacientes com FM apresentem uma alteração da percepção da sensação de dor. Alguns pacientes desenvolvem a condição após um gatilho, como uma dor localizada mal tratada, um trauma físico ou uma doença grave.

Segundo a SBR, 2,5% das pessoas no mundo têm fibromialgia. É um tipo de doença reumática sem restrição para cor, condição social, nacionalidade etc. De um modo geral, afeta em sua maioria o sexo feminino com idade entre os 30 e 50 anos, o que não quer dizer, que homens e pessoas de um modo geral com idade inferior ou superior a estas, pode estar imune à doença.

Assim como na questão do lúpus e das outras doenças reumáticas, para o diagnóstico a recomendação é se consultar com um médico clínico geral, realizar os exames e todo o procedimento direcionado pelo médico (a).

Tratamento das Doenças Autoimunes

O tratamento das doenças reumáticas é varia conforme cada caso, contudo a recomendação é a mesma: após o diagnóstico do médico clínico geral, solicitar um encaminhamento para o reumatologista. A partir de então, o especialista irá avaliar o caso e seguir com o tratamento mais adequado.

As doenças reumáticas em si não têm cura, mas sim podem ser tratadas e a pessoa portadora pode ter uma vida com menor quantidade de incômodo e dores causados pela doença.

Essa campanha é extrema importância para apresentar mais informações e esclarecer dúvidas sobre o Lúpus e a Fibromialgia. Conscientizar sobre a importância do tratamento e acompanhamento frequente com um médico reumatologistas é a nossa meta.  E por falar nisso, neste link você consegue verificar se existe um médico reumatologista atendendo gratuitamente na sua região – Clique aqui

Acompanhe nossas redes sociais e veja mais informações sobre a campanha Fevereiro Roxo. Instagram Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *