Como a psicologia ajuda no tratamento das doenças reumáticas?

Algumas doenças reumatológicas como a fibromialgia comprometem também as emoções. O reumatismo atinge cerca de dez milhões de brasileiros com dores e inflamações em diversas partes do corpo. A psicologia é uma importante aliada no tratamento medicamentoso, acompanhada de exercícios físicos e aeróbicos.

O reumatologista sempre considera os problemas físicos, as questões emocionais, o impacto da dor crônica, da baixa autoestima, da fadiga e da disfunção sexual que a doença pode causar durante o atendimento.

O tratamento deve incluir uma boa relação médico-paciente, orientação adequada,  estímulo à prática de atividade física e, quando necessário, o uso de medicações antidepressivas e ansiolíticas para reduzir a ansiedade. Em alguns casos, o apoio de um psicólogo ou psiquiatra também é necessário.

Os próprios problemas emocionais também facilitam o agravamento das patologias e dores reumáticas. Quer saber sobre reumatismo e autoestima? É só clicar aqui!

As inflamações dos nervos e tendões, dores pelo corpo, cansaço em excesso, desânimo e falta de apetite, entre outros sintomas, fazem parte da rotina de boa parte das pessoas com doenças reumáticas. A falta de compreensão, principalmente de quem está mais próximo e, até mesmo, a pouca disposição e energia para as atividades diárias, contribui para um alto índice de depressão e  problemas emocionais em geral.

O tratamento conjunto com terapia e atendimento psicológico é recomendável para a maioria dos doentes reumáticos. Compreender de fato que as dores crônicas não se tratam de “frescura” é um ponto chave no processo.

A psicologia associada ao tratamento médico promove grandes efeitos no emocional e psíquico do portador de reumatismo. É importante ressaltar que a depressão e/ou ansiedade determinam a redução da qualidade de vida. O tratamento ainda depende de mais estudos avaliando a extensão da depressão e ansiedade para proposição de alternativas terapêuticas para melhoria da saúde física e bem-estar.

Veja também – Gota: mudar hábitos é recomendação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *